PERGUNTAS FREQUENTES

O que é Estudo Eletrofisiológico?

É um procedimento realizado com anestesia local, com ou sem sedação do paciente, onde através de cateteres, introduzidos em veias ou artérias das pernas, posicionados em diferentes pontos do coração e ligados a computadores especiais, pode-se estudar todo seu sistema elétrico. Este mapeamento, conhecido como estudo eletrofisiológico, permite diagnosticar os distúrbios que provocam tanto a diminuição (bradicardia) quanto o aumento (taquicardia) anormal dos batimentos cardíacos. Essa técnica de diagnóstico é aplicada quando há suspeita de alteração do ritmo cardíaco devido a distúrbios elétricos, cujo agravamento possa levar a situações de desconforto ou de risco para o paciente. Em alguns casos quando há necessidade além de se realizar somente um estudo eletrofisiológico, trata-se problemas cardíacos através dessa técnica. Assim é possível resolver vários problemas elétricos do coração, sem maiores traumas para os pacientes. Esta técnica, denominada de ablação, revolucionou a cardiologia. Existem diversos distúrbios elétricos, que desencadeiam taquicardias, provocando diversos graus de morbidade ao paciente, incluindo, nos casos de maior gravidade, a morte súbita. A substituição das cirurgias pela ablação tornou possível obter-se a cura definitiva da maioria dos casos, com alto grau de sucesso e baixo índice de complicações.
 
A eletrofisiologia consiste no estudo das propriedades elétricas em células e tecidos. Na neurociência inclui medidas das atividades elétricas de neurônios, e particularmente da atividade do potencial de ação. Na condução de estimulo nervoso que ocorrem nas fibras neuro-musculares excitáveis. A transmissão de impulsos nervosos, ocorrem através de sinapses elétricas e químicas. A cardiologia engloba, como área de atuação, a eletrofisiologia, a qual consiste no diagnóstico e tratamento de arritmias através de cateteres introduzidos no sistema venoso do paciente, chegando até as câmaras cardíacas.
 
O estudo eletrofisiológico é importante na investigação das causas de palpitações e ou desmaios.

O que é Arritmia Cardíaca?

Podemos dizer que arritmia cardíaca é uma alteração no ritmo de batidas do coração. Tanto podem  ser batimentos muito rápidos (taquicardia) como batimentos muito lentos (bradicardia).

Essas alterações acometem  muitas pessoas no Brasil que nem sabem que estão com o coração com batidas descompassadas. Por isso é necessário que se faça um check up regularmente com um cardiologista, visto que ele pode identificar através de exames se o paciente possui ou não arritmia cardíaca e se é taquicardia ou bradicardia.

 

As pessoas têm que se conscientizar que se não diagnosticada e tratada corretamente, a arritmia cardíaca pode provocar parada cardíaca, doenças no coração e a morte súbita, em que a pessoa morre inesperadamente.

 

Se você sente palpitações ou “batedeiras”, desmaios, tonteiras, confusão mental, fraqueza, pressão baixa, dor no peito pode significar arritmia. Mas, esses sintomas não são regras. Alguns pacientes apresentam arritmias cardíacas assintomáticas, por isso a necessidade de se consultar com um cardiologista.

 

E ao contrário do que se pensa, as arritmias não são acometidas só em idosos, crianças podem apresentar esses descompassos de batimentos cardíacos como jovens, principalmente atletas.

 

Quantos casos vimos de jogadores de futebol que têm morte súbita no campo em partidas. Todos com menos de 35 anos.  Vale lembrar que mais de 95% das mortes súbitas acontecem fora do ambiente hospitalar. A reversão só acontece em casos que o paciente é atendido nos primeiros 5 minutos após a parada cardíaca. Nesses casos, a sobrevida é maior que 49%. Mas quando não é possível ser atendido nesse curto espaço de tempo, o paciente pode sobreviver, mas o cérebro pode ser afetado.

 

Hoje com  a evolução da medicina e com o diagnóstico precoce dessas alterações cardíacas é possível  tratar as arritmias com o cardiologista arritmologista e eletrofisiologista que é especialista nesse tipo de tratamento que fará a indicação do seu caso se será tratado  por medicação apenas, ou ablação por cateter ou por implantes de dispositivos Cardíacos Eletrônicos Implantáveis (DCEI), como Marca-passo (MP), Cadioversor Desfibrilador Implantável (CDI) ou Ressincronizador.

Quais são as Causas da Arritmia Cardíaca?

Arritmia pode ocorrer quando os sinais elétricos que controlam os batimentos cardíacos ficam atrasados ou bloqueados. Isso pode acontecer quando as células nervosas especiais que produzem o sinal elétrico não funcionam apropriadamente, ou quando os sinais elétricos não viajam normalmente pelo coração. Uma arritmia também pode ocorrer quando outra parte do coração começa a produzir sinais elétricos, adicionando aos sinais das células nervosas especiais, e alterando o batimento cardíaco normal.

Quais os Sintomas da Arritmia Cardíaca?

Muitas arritmias não ocasionam nenhum sinal ou sintoma. Quando os sinais e sintomas estão presentes, os mais comuns são:

- Palpitações cardíacas (sensação de que o coração pulou uma batida ou está batendo muito forte).
- Batimento cardíaco lento.
- Batimento cardíaco irregular.
- Sensação de pausa entre os batimentos cardíacos.

Sintomas e sinais mais sérios incluem:

- Ansiedade.
- Fraqueza.
- Tonteira e dor de cabeça leve.
- Transpiração.
- Falta de fôlego.
- Dor no peito.

Quais são os tratamentos da Arritmia Cardíaca?

O tratamento varia muito de acordo com o tipo de arritmia identificada e dos sintomas presentes. As arritmias cardíacas podem ser tratadas e na maioria das vezes curadas. Os tratamentos podem ser através de medicamentos antiarrítmicos, ablação por cateter, ou implante de dispositivos (marcapasso, cardiodesfibrilador implantável ou ressincronizador cardíaco).

O que é Ablação por Radiofrequência?

A ablação é uma microcauterização cirúrgica utilizando um tipo de energia - Radiofreqüencia que cauteriza o foco da arritmia destruindo-o.
 
Com um cateter especial, em que é possível movimentá-lo dentro do coração, é realizado o mapeamento do foco da arritmia e no momento que o cateter encontra o foco é aplicado a energia de radiofrequência cauterizando e destruindo o foco causar do arritmia. Várias arritmias podem ser resolvidas e curadas com esta técnica. Estudos Eletrofisiológicos e Ablação são procedimentos realizados há mais de uma década sendo procedimentos seguros, porém não são isentos de riscos. Durante a consulta, a equipe médica explica todos os detalhes do procedimento.

O Estudo Eletrofisiológico e a Ablação com Radiofreqüência são procedimentos realizados rotineiramente pela Cardioritmo, através da introdução de cateteres (fios flexíveis especiais) em locais específicos do coração. Entretanto, antes de falarmos sobre cada um desses procedimentos, é preciso explicar o que é o sistema elétrico do coração e como ele funciona.

Para que o coração faça o trabalho de bombear o sangue através do corpo existem quatro cavidades: as duas superiores chamadas átrios e as duas inferiores chamadas ventrículos. O coração necessita de uma espécie de estímulo para começar o batimento cardíaco. Este estímulo é um verdadeiro impulso elétrico, que se origina numa área do coração chamada nó sinusal, que é o marcapasso natural do coração. Este funciona como um gerador de energia elétrica, que faz o coração bater entre 60 e 100 vezes por minuto em condições normais de repouso.

Este estímulo elétrico se propaga pelo sistema de condução, atravessando estruturas como o nó atrioventricular e o feixe de His e se espalhando pelos ventrículos direito e esquerdo, provocando a contração do coração. Em algumas situações, este sistema elétrico encontra-se alterado e causa “curtos-circuitos”, que podem resultar em taquicardias ou batimentos rápidos (palpitações, “batedeira”), acompanhados de desmaios (síncopes), tonturas (pré-sincopes), cansaço, respiração curta, dor ou pressão no peito. Em outras, apresenta alteração do sistema, que resulta em batimentos lentos (bradicardias), acompanhados também de desmaios, tonturas e/ ou cansaço.

Em poucas áreas da cardiologia é possível falar em cura. A das arritmias cardíacas é uma das exceções. Pacientes que têm um tipo de taquicardia, a Síndrome de Wolff-Parkinson White, têm possibilidade de acabar com o problema por meio da ablação por radiofrequência, a técnica que utiliza cateteres e radiofrequência para destruir os focos de impulsos elétricos anormais no coração.

"Os que têm essas taquicardias curam em 95% dos casos, algo raro na nossa especialidade".

O que é Ablação pelo Sistema Eletroanatômico CARTO?

Entende-se por mapamento eletroanatomico tridimensional a representação grafica onde a informação da atividade elétrica local e a posição espacial da mesma são exibidas conjuntamente.
 
O sistema eletroanatômico Carto é uma tecnologia de ponta que integra as informações elétricas adquiridas pelos cateteres eletrodos em um mapa eletroanatômico tridimensional gerado por tecnologia específica, permite ao médico identificar zonas cardíacas com baixa voltagem durante o procedimento e associa-las ao circuito arritmogênico identificado pelo eletrocardiograma e pelo estudo eletrofisiológico, orientando dessa forma a estratégia terapêutica mais adequada.
 
É utilizado nas arritmias cardíacas mais complexas, tais como fibrilação atrial, taquicardia atrial, flutter atrial atípico, taquicardias ventriculares entre outras.

O que é e onde é aplicado eletroterapia?

A eletroterapia é o uso de energia elétrica no tratamento de problemas de saúde. Na medicina, o termo eletroterapia pode se aplicar a uma variedade de tratamentos, incluindo o uso de corrente direta, como na cardioversão, e utilização de aparelhos elétricos.
 
O termo eletroterapia também se aplica à aplicação de corrente elétrica para acelerar a reabilitação de lesões. Adicionalmente, o termo eletroterapia também tem sido usado para uma gama de aparelhos e tratamentos alternativos.

A eletroterapia é usada para relaxamento de espasmos musculares, prevenção e retardamento de atrofia por falta de uso, elevação da circulação sanguínea local, reabilitação e reeducação muscular, manutenção e elevação da amplitude de movimentos, controle da dor, estimulação pós-cirúrgica imediata dos músculos para evitar trombose venosa, recuperação de lesão e aplicação de medicamentos.

O que é Síncope (desmaios)?

Sincope ou desmaio é a perda súbita e transitória da consciência e associada a incapacidade de manter o tônus postural e com recuperação espontânea  causada pela redução temporária do fluxo sanguíneo cerebral.

Frequentemente  existe a recuperação da consciência espontânea após a queda, pois há de novo retorno de sangue que estava sequestrado nos membros inferiores, ao coração. A Síncope é um problema frequente e pode acontecer devido a diversas causas, e diagnosticar a causa exata pode ser difícil. É muito importante excluir que a sincope seja maligna, que tem mau prognostico e pode levar a morte súbita.

O que é Morte Súbita?

Morte súbita é a morte que acontece repentinamente, em até uma hora após o inicio dos sintomas, na maioria dos casos acontece em minutos em adultos e crianças. É cardíaca quando ocorre pela perda da função cardíaca, indivíduos que foram recuperados de uma parada cardíaca devem ser submetidos a intensa investigação das causas, para que o tratamento seja instituído, a fim de prevenir eventos futuros. As causas principais são doenças coronarianas e arritmias cardíacas. Ao suspeitar de arritmia cardíaca como causa, pode necessitar de estudo eletrofisiológico para melhor diagnostico, que se confirmado pode precisar de tratamento com implante de desfibrilador, ablação por cateter ou medicamentos antiarrítmicos.

O que é Fibrilação Atrial?

A Fibrilação Atrial é uma arritmia muito frequente, é originada nos átrios e se constitui em um ritmo irregular e rápido. Podendo prevalecer em pessoas de todas as idades. Ocorre de forma assintomática ou pode levar a diversos sintomas como palpitação, cansaço, falta de ar, desmaios, tonteira, dor no peito, sudorese entre outros.

A fibrilação atrial pode levar a formação de coágulos dentro do coração que podem ir para distintas partes do corpo, resultado em acidente vascular cerebral ou embolia em outros sítios. É muito importante que o diagnostico de fibrilação atrial seja firmado para que o melhor tratamento seja instituído. O tratamento consiste em medicação e/ou ablação por cateter de acordo com cada caso.